Página Inicial Institucional Comunicação Notícias Consumo de água no Ceará cresce em 2009

Consumo de água no Ceará cresce em 2009

Criado em Terça, 09 Fevereiro 2010 13:59
Estado consumiu 232 milhões de metros cúbicos de água no ano passado. Foram quase 9 milhões de metros cúbicos a mais. Por outro lado, o consumo por residência diminuiu, mostrando que o consumidor está mais consciente

O consumo de água no Ceará (levando emconsideração os 149 municípios atendidos pela Cagece) aumentou 4% em2009 na comparação com o ano anterior. Em 2009, a população cearenseconsumiu 232 milhões de metros cúbicos de água tratada pela Companhiade Água e Esgoto do Ceará (Cagece). O volume consumido no períodorepresentou nove milhões de metros cúbicos de água a mais do que em2008. Na mesma comparação feita para a capital, o aumento no consumofoi de cinco milhões de metros cúbicos de água. Com isso, houve umincremento de 3,3% no volume consumido.

Um dos principais motivos para oaumento no volume consumido se deve ao incremento no número declientes. Em 2009, a Cagece registrou um aumento de 4,47% no número deligações de água em todo o Ceará, na comparação com 2008. Um incrementode 64.888 famílias a mais. No primeiro mês do ano, havia 1.448.959economias atendidas e em dezembro esse número estava em 1.513.847. Nacapital, o incremento foi menor: 3,74% a mais de clientes no mesmoperíodo.

A principal estação de tratamento deágua no Estado, ETA Gavião, que abastece a Região Metropolitana deFortaleza, foi responsável pela produção de cerca de 64% de toda a águaconsumida no Ceará em 2009. A ETA Gavião possui capacidade de produzir10 metros cúbicos por segundo (m³/s) enquanto que o consumo varia de 6m³/s a 7m³/s.

Consumo porresidência

Em 2009, a média de consumo porresidência caiu na comparação com 2008. No ano passado, a média mensalconsumida no Ceará foi de 153.546 litros de água contra 154.251 litrosem 2008. Na capital, a queda média foi de 157.799 litros para 157.161litros na mesma comparação.

Para o presidente da Cagece, HenriqueVieira Costa Lima, houve três fatores que contribuíram para a variaçãono consumo em 2009: conscientização, expansão da rede no interior ecombate à fraude. ?O consumidor está mais consciente com relação ao usoda água. Existe uma valorização maior desse bem. Além disso, nósexpandimos a rede para o interior, que tem um histórico de consumo percapita menor do que nas grandes cidades. Com isso houve uma baixa namédia. Outro fator foi o combate às perdas. A Cagece está, há algunsanos, combatendo a perda na operação e a fraude. Isso também deixa oconsumo mais consciente?, afirma.

Qualidade

A água que chega às torneiras dapopulação da Capital é processada na Estação de Tratamento de ÁguaGavião (ETA Gavião), a principal fonte de água potável do Estado.Durante o processo de tratamento, a água retirada do complexoPacoti-Riachão-Gavião recebe diversos produtos que servem para retiraras impurezas e organismos que podem agredir o organismo humano.

Além disso, são adicionados produtosque ajudam a fortalecer a saúde dos consumidores. O principal produto éo flúor, que é adicionado à água da Cagece em Fortaleza desde 1988,prevenindo assim a cárie dentária.

A Cagece realiza cerca de 70 tipos deanálises, como, por exemplo, as de agrotóxicos, substâncias orgânicas ecianotoxinas.

O atual laboratório central da Cagece écertificado pela ISO 9001, desde 2005. No Interior, há setelaboratórios de médio porte que realizam as principais análises dasrespectivas bacias hidrográficas, a qual estão ligadas. Além disso, emcada estação de tratamento de água existem laboratórios (164) para asanálises cotidianas.

Desta forma, a água distribuída pelaCagece é testada em 172 laboratórios de qualidade antes de ir para acasa do cearense. A análise da água é feita a cada duas horas,obedecendo à Portaria 518/04 do Ministério da Saúde.

 

09 de fevereiro de 2010

Assessoria de imprensa da Cagece

Informações: www.cagece.com.br e www.twitter.com/cagece

Tel: (85) 3101-1826 e (85)3101-1828

 

Ler 1788 vezes