Página Inicial Institucional A Companhia História

História

Criado em Quarta, 04 Maio 2011 00:00

1866 – 1971

antigas 023

Fortaleza teve seu primeiro sistema de abastecimento de água inaugurado em 29 de setembro de 1866, utilizando as fontes do Sítio Benfica. Já no século XX, ao final dos anos 60, o Ceará contava com 89 sistemas de abastecimento de água: 25 operados pela Fsesp, 32 pela Caene, 18 por Prefeituras Municipais, 9 pelo Dnocs e o de Fortaleza pela Saagec, que administrava também a pequena rede de esgoto existente.

O 1º sistema de esgoto da Capital foi projetado por João Felipe em 1911 e começou a funcionar em 1927. Cobria o pequeno centro da cidade. Em 1956, tinha um emissário de 600 m de extensão e uma estação elevatória na praça do Passeio Público.

Em 1966, Fortaleza contava com 39 mil metros de rede coletora de esgoto cobrindo 5,7% da população. Em 1971, a malha atingiu 53 mil metros beneficiando 8% dos fortalezenses. No período, apenas 54,8% de Fortaleza era abastecida.

 

1971 - 1981

antigas 025

Foi criada então, sob a forma de Empresa de Economia Mista, a Companhia de Água e Esgoto do Ceará – CAGECE, através da Lei 9.499, de 20 de julho de 1971. De 1977 a 1978 a Companhia construiu o emissário submarino de Fortaleza e em 1981, o sistema Pacoti-Riachão-Gavião, com capacidade para armazenar 511 milhões de metros cúbicos de água. No mesmo ano, a rede coletora de esgoto chegava a 460km, atendendo a 18% da população. Criar a Empresa foi uma iniciativa importante, mas era preciso pôr em prática o entusiasmo da criação.

 

1992 – 1998

antigas 005

Em 92, a Cagece construiu o açude Pacajus e evitou o colapso no abastecimento de Fortaleza com a execução do Canal do Trabalhador. A medida garantiu uma reserva de 750 milhões de metros cúbicos de água para Região Metropolitana de Fortaleza. Outras ações foram acontecendo, como a construção do Sistema de Tratamento de Esgoto do Distrito Industrial de Fortaleza, em Maracanaú, que hoje atende a 87 indústrias e 100 mil pessoas residentes na cidade.

O período de 1996 a 1998 ficou marcado pela execução do Sanear I, que elevou o atendimento com serviços de esgotamento sanitário de 18% para 60%, possibilitou a instalação de 150 mil hidrômetros em Fortaleza e a construção da Estação de Pré- condicionamento de Esgoto – EPC, automatizada e com capacidade para tratar 4,5 m³/s de esgoto .

O macrossistema de distribuição de água de Fortaleza e da região da Ibiapaba foram automatizados (operados através de computador), possibilitando a identificação de qualquer ocorrência em tempo real. Foi implantado, também, o sistema de leitura e faturamento imediato, que deu oportunidade ao cliente de conferir sua conta ao recebê-la.

A Cagece levou água tratada ao homem do campo, através do Programa KFW I , beneficiando 120 mil habitantes da zona Norte do Estado, sendo 63 localidades com água tratada e 22 com esgoto. Foi criado o primeiro Sistema Integrado de Saneamento Rural – Sisar.

 

2001 – 2003

antigas 013

A Cagece completou 30 anos em julho de 2001 com uma nova arquitetura organizacional formada por Unidades de Negócio na Capital e no Interior do Estado e Unidades de Serviço. A Companhia entendeu que era preciso ousar. Concretizou o processo de reestruturação e modernização, dirigindo seu foco para o cliente.

A Empresa investiu em planejamento estratégico, trabalhou 48 Macroprojetos voltados para as diversas áreas; destinou 1% de sua arrecadação para treinamento e capacitação de pessoal; iniciou ações de educação sanitária; implementou campanhas de combate ao desperdício de água; apostou em Gestão do Conhecimento, através do programa MC2; desenvolveu programas de Reúso de efluentes tratados e de Eficiência Energética, além de informatizar a Companhia, dentre outras iniciativas.

No mesmo período foi destacada nacionalmente, como a Empresa que apresentava os índices de produtividade mais elevados, com 518 economias por empregado e como a empresa que tem a menor tarifa média (R$ 0,63 por m³). Já em termos de despesa com serviço por metro cúbico faturado, a Cagece destacou-se também com a produção mais barata, R$ 0,60 por m³.

A Companhia cearense destacou-se, ainda, pelo menor índice de perda de faturamento na região Nordeste, 32,1%, enquanto a média de perda, em nível de Brasil, chegava a 45%. No item esgotamento sanitário, a Cagece liderou as Empresas do Nordeste com índice de atendimento de 26,5%, colocando-se dentre as três melhores do Brasil em termos de tratamento de esgoto, por ser uma das únicas a tratar 100% dos dejetos coletados.

A Estação de Pré-condicionamento de Esgoto – EPC foi dotada de uma Estação de Tratamento de Odores (ETO), para confinar os gases exalados pela unidade, lavá-los e desinfectá-los antes de serem lançados na atmosfera. A medida reduziu em 90% o mau cheiro provocado no tratamento dos dejetos.

O período marcou, também, o início de programas importantes como o São José e o Alvorada, que levaram saúde a moradores de pequenas comunidades com baixo índice de desenvolvimento humano (IDH), através da implantação de sistemas de abastecimento de água, coleta de esgoto e unidades sanitárias. Além da construção do sistema de esgotamento sanitário do Conjunto José Walter; ampliação dos filtros da Estação de Tratamento de Água do Gavião (ETA) que elevou a produção de água da Região Metropolitana de Fortaleza, de 4.9 mil litros por segundo para 6.0 mil l/s, e a construção da fábrica de cloro no sistema de tratamento de água de Maranguape.

antigas 003

Outras ações importantes aconteceram no triênio tais como: o início do Programa Conhecendo Nossa Cagece e a implantação de iniciativas como o Água em casa, Despoluição dos recursos hídricos, Atendimento nos bairros com unidades móveis, educação sanitária, Cagece nas escolas, subprogramas do "Cagece em ação". Merece destaque também a participação da Cagece na campanha de Combate à Dengue; lançamento das campanhas de "Combate ao desperdício de água" e do "Gambiarra", visando coibir as ligações clandestinas nos sistemas da Companhia; implantação da Intranet e lançamento do Portal da Cagece e padronização das lojas de atendimento.

Nesse sentido, uma das prioridades da Empresa nessa gestão, que iniciou em 2003, foi a universalização dos serviços de água e esgoto sanitário, com uma meta audaciosa, cujo objetivo foi o atendimento a 100% das sedes municipais com abastecimento de água e 50% com a coleta de esgoto.

O período de 2003 a março de 2005, contemplou diversas ações importantes, dentre as quais destacaram-se: a renovação da concessão de Fortaleza por mais 30 anos; a implantação do Centro de Contato 0800-850195 e ampliação do call center para mais 10 cidades interioranas, bem como a criação da Ouvidoria da Empresa; implantação da conta em Braille, sendo pioneira no Estado em termos de leitura em código de barras.

No campo operacional a Empresa investiu no controle de qualidade da água e análises dos sistemas de esgoto sanitário. O Laboratório Central da Cagece foi ampliado e teve implantada sua unidade de hidrobiologia. A preocupação da Empresa com o meio ambiente é uma constante e para conduzir especificamente o assunto, nesta época foi criada a Gerência de Meio Ambiente.


2004 - 2006

O ano de 2004 foi marcado por diversas premiações. Merece destaque o prêmio Delmiro Gouveia, sendo a Cagece classificada como uma das dez maiores empresas do Ceará em faturamento líquido. A Empresa participou de todas as edições do Prêmio, sendo contemplada desde 2001 na categoria Desempenho Social. A Cagece recebeu também os prêmios: Procel, de eficiência energética; Líder Empresarial, na pessoa do então presidente Newton Rodrigues; e se destacou como empresa referência do setor de saneamento.

No final de dezembro de 2004, a Empresa executou melhorias na Estação de Tratamento de Água do Gavião, incluindo a proteção do sistema adutor Gavião-Ancuri e a colocação de duas bombas de alto rendimento, gerando um aumento de 200 litros por segundo de água e mais 150 litros por segundo, em março de 2005, na vazão da água distribuída a Região Metropolitana de Fortaleza. A iniciativa ampliou a produção de água tratada da ETA-Gavião para seis mil e novecentos litros por segundo.

Com a finalidade de universalizar o abastecimento de água e espalhar saúde pelo Estado, a Empresa abraçou importantes programas como: Alvorada, São José (Sisar), Prourb, Prodetur, Prosaneamento, PMSS, Pass/OGU, Pass/BID, Psarm/Funasa, Sdlr/Pró-moradia, KfW II e Sanear II.

Em 2005, foram autorizadas as obras de ampliação da Estação de Tratamento do Gavião cuja vazão passarou de 6 mil e 900 litros por segundo (l/s) de água para 8 mil e 300 l/s. A unidade ganhou dois novos filtros. Foram duplicados a adutora Gavião-Ancuri e o reservatório elevado do Ancuri, de onde desce a água tratada para distribuição à grande Fortaleza.

Nesse mesmo ano a Empresa modernizou o macrossistema de Fortaleza com a montagem de duas válvulas automatizadas (1.200 mm de diâmetro) na unidade remota (4), que regula as pressões da água distribuída às zonas leste e oeste de Fortaleza. A medida incrementou o macrossistema de Fortaleza controlado por computadores, através de sensores inteligentes, que acusa em tempo real quaisquer ocorrências no sistema de abastecimento da Capital, inclusive, o residual de cloro.

A Cagece iniciou em abril de 2005 a implantação do Sistema de Gestão da Qualidade com vistas à Certificação ISO 9001 na Estação de Tratamento de Água do Gavião (ETA Gavião) e no Laboratório Central da Empresa. No final de 2005, recebeu a certificação dessas duas Unidades e, em 2006, deu início ao processo de certificação de quatro estações de tratamento do Interior (ETA Maranguape, ETA Poty - Crateús, ETA Russas e ETA Jaburu), e do Laboratório de Hidrometria (calibração e manutenção de medidores). Empenhada nas ações de responsabilidade social, a Companhia se inscreveu no Instituto Ethos.

Com uma nova arquitetura organizacional, a Cagece ganhou um novo logotipo que traduz sua evolução, modernidade, a tecnologia utilizada, sua proximidade ao cliente e sua preocupação com o meio ambiente dentre outros pontos.


2007 – 2008

A Cagece chegou aos 37 anos (20 de julho de 2008) e levou água tratada a 251 localidades de 149 municípios do Ceará, garantindo saúde e qualidade de vida a 4,52 milhões de cearenses e beneficiou 1,66 milhões com serviços de coleta de esgoto. Foram 9.784.785 metros de rede de distribuição de água e 3.750.99 m de rede coletora de esgoto em todo o Estado. Cerca de 1.256.645 ligações de água e 338.252 ligações de esgoto beneficiando os cearenses. O índice de cobertura com abastecimento de água era de 96,91% no Estado e 97,80% em Fortaleza. Enquanto a cobertura de esgoto na Capital era de 50,56% e 35,74% no Estado.

Em 2007, a Cagece recebeu o Prêmio Top of Quality Ambiental. O prêmio é uma iniciativa da Ordem dos Parlamentares do Brasil (OPB) e é outorgado para todas as empresas que buscam reduzir os impactos negativos causados ao meio ambiente. Outro destaque da Empresa foi o Prêmio Delmiro Gouveia, sendo premiada em três categorias: 5ª Maior Empresa do Estado pelo Resultado Final Líquido Ajustado; a 2ª Melhor Empresa em Desempenho Social e a 5ª com Melhor Contabilista.

Em 2008 a Cagece recebeu a Certificação ISO 9001 de 12 Lojas da Capital (Fortaleza e RMF) e 2 Lojas de Atendimento de Juazeiro do Norte.

2009 – 2010

Em 2009, a Companhia recebeu vários prêmios e foi reconhecida nacionalmente como uma das melhores prestadoras de serviços públicos do país em inovação e qualidade. Recebeu o prêmio Nacional de Conservação e Uso Racional de Energia do Ministério das Minas e Energia/Eletrobrás.

No mesmo ano, conquistou a faixa prata do Prêmio Ceará de Gestão Pública (PCGP); três unidades de negócio da Capital venceram o prêmio PNQS na categoria prata e uma unidade de negócio do Interior na categoria bronze. A Cagece ficou entre as dez melhores organizações públicas do Brasil na classificação do Prêmio Nacional da Gestão Pública (PQGF).

Já em 2010, além de grandes investimentos na ampliação das redes de esgoto, como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Companhia de Água e Esgoto do Estado do Ceará (Cagece) foi eleita a quarta melhor empresa de saneamento do Brasil e a primeira do Nordeste, apontada pelo Instituto Trata Brasil.

A cobertura de esgoto no Ceará cresceu de 35,85% em dezembro de 2009 para 37,23% no final de 2010. Atualmente, 1.897.270 cearenses estão ligados à rede de esgotamento sanitário da Companhia. O acesso à água também aumentou neste ano, passando de 97,26% para 97,59%.

A Empresa é atualmente uma referência nacional no segmento de saneamento básico. Hoje tem certificação ISO 9001:2000 em 23 de suas Unidades, sendo a Estação de Tratamento de Água da ETA Gavião; o Controle de Qualidade da Água e Efluentes do Laboratório Central; Tratamento e Controle de Qualidade da Água das ETA's Poty (Crateús), Jaburu (Tianguá), Maranguape, Itapipoca (I e II) e Russas; Calibração e Manutenção de Medidores do Laboratório de Hidrometria e mais 14 lojas, sendo duas no Interior.

2010 – 2015

Em 2011, a Companhia recebeu a Certificação ISO 9001 de 12 Lojas da Capital (Fortaleza e RMF) e 2 Lojas de Atendimento de Juazeiro do Norte.

A Empresa é atualmente uma referência nacional no segmento de saneamento básico. Hoje tem certificação ISO 9001 em 4 processos finalísticos da Companhia, os quais receberam, em novembro/14, a Recertificação ISO 9001. O Órgão Certificador foi a ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas.

A Cagece possui certificação ISO 9001 nos seguintes processos: Tratamento e controle de qualidade da água das Estações de Tratamento de Água do Gavião (Fortaleza e RMF), Maranguape, Russas, Poty (Crateús) e Jaburu (responsável pelo abastecimento de água de 20 localidades da Região da Ibiapaba), Controle de qualidade de água e efluentes do Laboratório Central, Verificação e manutenção de medidores do Laboratório de Hidrometria, Atendimento presencial a clientes de 12 lojas de atendimento de Fortaleza e RMF, 2 lojas de atendimento de Juazeiro do Norte e 1 loja de atendimento de Crateús.

O escopo do Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) está sendo ampliado para outros processos finalísticos e de apoio da Cagece, contemplando lojas de atendimento do interior, estações de tratamento de água (ETA), estações de tratamento de esgoto (ETE), as áreas de suprimentos e do controle operacional de água, e nos laboratórios regionais de controle de qualidade da água e dos efluentes e nas Unidades de Negócio da Cagece.

Buscando compatibilizar suas atividades com a preservação do Meio Ambiente dentro dos princípios do desenvolvimento sustentável, a Cagece iniciou em 2012 a implantação do Sistema de Gestão Ambiental (SGA) na Estação de Tratamento de Água (ETA) Gavião. O processo foi concluído em 2015 e a Certificação Ambiental está prevista para 2016.

Também está em fase de implantação o Sistema de Gestão Ambiental (SGA) na Estação de Tratamento de Água (ETA) do Jaburu. O objetivo pretendido é que até o final de 2018 a Companhia tenha um Sistema de Gestão Integrado nessas áreas contemplando Qualidade (ISO 9001) e Meio Ambiente (ISO 14001).

Em 2012, foi concedida ao Laboratório de Hidrometria da Cagece a licença para atuar como PEA - Posto de Ensaio Autorizado do INMETRO com base na Portaria 066/2005/INMETRO. Com o objetivo de manter o Laboratório de Hidrometria na condição de PEA, foi implantada a Norma ISO/IEC 17.025:2005 no referido Laboratório. A Acreditação foi concedida pelo INMETRO em junho/15.

Está em fase de implantação a ISO 17025 no Laboratório Central com vistas a Acreditação junto ao INMETRO prevista para 2017.

A cada ano a Cagece expande seus serviços e fortalece o desempenho na busca da universalização dos serviços de água em todo Estado. A empresa trabalha com planejamento estratégico focado nos resultados.

Ler 49511 vezes Última modificação em Segunda, 23 Novembro 2015 13:47